E Se Jasper Salvasse Rosalie... - Capítulo 07: Vida Difícil

Royce

A infeliz maravilhosa de minha noiva deveria estar se remoendo de não ter tido uma boa noite comigo. Ela recusou enquanto pode, até aquele homem muito diferente e estranho ter aparecido. Mas acredito que, se ele não tivesse aparecido, ela teria gostado.

Eu tenho prática nesses assuntos com mulheres. Ela iria aos céus comigo. Pena ela ter ficado assustada.

De qualquer forma, vesti um dos meus melhores ternos para o almoço na casa dos Hale. Desci as escadas e encontrei meu pai conversando com seus senhorios.

- Está pronto, pai?

- Sim, Royce. Só aguarde enquanto eu resolvo alguns problemas financeiros da família.

- Ok, ok... – Chatice. Vamos dar uma volta.

Saí de casa, desci as escadas e fui me sentar em um banco na calçada. Antes mesmo de chegar ao banco de madeira em frente à minha casa, passou uma linda moça. O vestido estava largo, mas eu podia ver todas as suas curvas.

Ou pelo menos eu podia imaginá-las.

Pervertido ou não, meu pensamento se esvaiu mais rápido do que eu gostaria, pois outra moça passou bem à minha frente. Essa sim, meu Deus, que maravilha de mulher. Se eu não fosse tão aficcionado pela beleza escultural da minha Rose, pode ter certeza de que eu estaria correndo atrás dela.

Aliás, nem era preciso isso, já que ela parecia estar bem favorável à minha presença com seu olhar profundo. Essa sim seria uma excelente esposa.

Consegui chegar ao banco. Mesmo tão próximo da porta de minha casa, foi difícil chegar com a minha atenção voltada a tantas moçoilas passando à minha frente com seus vestidos esvoaçantes, marcando suas pernas roliças e suas cinturas finas. E quanto aos seios... Deixa quieto, caso contrário, precisarei voltar para meu quarto.

Assim que me sentei, vi alguns casais caminharem tranquilamente pela praça. Eles eram tão românticos, tão apaixonadas, tão... Urgh... Esses homens são estranhos. Elas são só mulheres, serão nossas esposas algum dia e farão as mesmas coisas que todas as mulheres dignas fazem: obedecer os pedidos de seu marido.

Rosalie não me parecia ser uma dessas mulheres que dizem ‘sim’ por qualquer coisa. Eu havia descoberto isso na noite anterior, mas mais cedo, mais tarde, ela diria. Era só uma questão de tempo. Minha Rose é completamente apaixonada por mim, não importa o que eu faça contra ela ou com qualquer outra pessoa.

Mais uma moça passou à minha frente. Ela deixou seu lencinho branco cair ao chão. Ela fez de propósito, essa era o ponto de partida de uma paquera por uma moça. O que os homens faziam? Pegavam o lenço, é claro!

- O seu lenço, senhorita!

- Oh, Royce. Quão descuidada sou eu, não?! – Descuidada ou atirada?! Hmm... Que seja... Você é linda da mesma forma.

- Imagina, foi o vento que bateu e levou.

- Ah, deve ser sim... – ela disse toda risonha, suas bochechas estavam tingidas de um vermelho intenso. – Eu ando meio fraquinha ultimamente, sabe?!

- Isso não é bom, você precisa se alimentar para poder passear por aí. Não gosta disso?!

- Sim, claro.

- Então, quem sabe se você não se alimentar bem, você não possa entrar aqui em minha casa? Quem sabe até ser convidada para uma de minhas festas?

- Oh, meu Deus, eu como sua convidada? Seria uma honra, Royce!

- Então, sinta-se convidada. Alimente-se bem e volte para a minha próxima festa. Eu poderia saber qual é o seu lindo nome?

- Pearl Lover, a seu dispor.

A meu dispor? Hmm... Gostei dela!

- Você não é minha empregada para se dispor à mim, mas eu gostei muito de conhecê-la, senhorita Pearl! – dei um beijinho em sua mão, o que a deixou completamente arrepiada.

Assim que soltei sua mão, ela passou a outra mão em seu braço, tentando disfarçar os seus pelos arrepiados, mas não adiantou muito.

- Vejo você em breve, Pearl!

- Ok, Royce!

Ela partiu. Rebolava mais do que o bambolear de um pêndulo do relógio. Que curvas, que anca!

- Royce, vamos?!

- O quê?!

- Vamos, filho, já vamos chegar atrasados. E você me fica aí dando em cima das senhoritas que passa pela rua, aí sim chegaremos para o jantar. Então tome vergonha nessa sua cara de cafajeste e vamos para a casa dos Hale.

- Claro, pai. – Mas eu não sou um cafajeste!



Rosalie

Vesti um dos meus vestidos mais novos. Apesar de eu não estar nem um pouco à vontade de receber o maldito Royce em minha casa. Eu precisava manter a minha “máscara” de que tudo estava bem. Nada havia acontecido na noite anterior. Era só repetir isso até me cansar, uma hora eu ficaria convencida o bastante para fazer com que as outras pessoas também acreditassem.

Uma de nossas empregadas veio arrumar meu cabelo, o que foi rápido, e então calcei os meus sapatos.

Desci e eu já ia em direção à janela espiar se Royce estava chegando ou não, mas então fui parada por meu pai.

- Rose, por que a pressa?

- É que Royce vem aqui, papai. Você sabe disso!

- Hmm... É mesmo. Iremos falar de quanto a sua festa de casamento irá ficar. Espero que não fique muito cara, porque não temos tanto dinheiro assim...

É, se você gastasse menos com as viagens junto de mamãe, teríamos dinheiro sobrando para ter o que quer que fosse em meu casamento. Apesar de eu não querer mais me casar com Royce. Aliás, como é que vou contar tudo o que aconteceu para ele?!

Afinal, irei contar mesmo?! Bom, vou esperar alguns dias...

- Ok, papai.

- Espero que você não me venha com essas historias de rosas em cada uma das mesas, tecidos espalhados por tudo quanto é canto, porque isso não dá!

- Mas, papai, era justamente assim que eu sonhava! – Sonhava, não sonho mais...

- Rosalie, minha filha, não dá. Você já escutou. Ou vai me dizer que não?!

- Sim, papai, eu escutei.

- Mas, onde está sua mãe? Já está pronta para a vinda do Sr. King e de seu filho?

- Não sei, papai, vou conferir como ela está.

Fui até a cozinha, mamãe estava sentada conversando com Ruby. Assim que entrei, mamãe ficou me encarando. Sinto que ela sabia de mais coisas que eu supunha.

- Mamãe? Tudo bem?

- Você que precisa me dizer se esta tudo bem, querida. Ruby me contou coisas a respeito de você que eu... Me preocupo!

- Quais tipos de coisas?!

- Vergonhosas, querida. O que houve ontem à noite? Não vai me dizer que perdeu sua pureza!

- Não, credo, Deus me livre, mamãe.

- Mas eu vi uma camiseta que Ruby trazia para lavar. E ela havia saído de seu quarto. E eu conheço muito bem as roupas de seu pai e de seus irmãos. De quem é essa camiseta?!

- O que Ruby disse?!

- Nada demais, mas fiquei preocupada. De quem é essa camiseta?!

- Mamãe!

- Rosalie, de quem é essa camiseta?!

- De ninguém!

- Não senhora, de alguém ela é. De quem é? É de Royce?

- Não, mamãe, Royce não usa roupas assim... – Ele era rico, lembra-se mamãe?! Hello?!

- Então de quem é?!

- De ninguém, eu já disse...

- Duvido!

- Eu achei na rua ontem à noite quando voltava para casa, achei bonitinha e peguei ela para mim.

- Sei, e como é que ela está cheirando a seus perfumes?!

- É que eu achei ela confortável, aí vesti.

- Não confio em você, Rosalie.

- Então está bem, não posso fazer nada. Mas é a verdade!

- Crystal? Onde você está?! – papai começou a gritar pela casa. Mamãe, obviamente, respondeu mais do que depressa.

- Brad, estou aqui na cozinha!

- Mamãe, esconde essa camiseta! – sussurrei irritada. – Já!

Ela pegou a camiseta e jogou por debaixo da mesa. A toalha encobriu qualquer vestígio de que havia uma camiseta fedida e suja jogada por ali. Ele abriu a porta e encarou mamãe. Mais do que prontamente, encarei Ruby e fiz sinal para que ela pegasse a camiseta debaixo da mesa. Ela se abaixou e desapareceu.

- Crystal, vamos, se prepare, pois logo os King chegam.

- Já estou pronta, querido. Em segundos estou ao seu lado na sala de recepção!

- Ok...

Com seu jeitinho “mal amado”, papai deu as costas. Ruby se levantou e ficou em silêncio. Assim que percebemos que ele estava longe o suficiente, mamãe voltou a mim.

- Nossa conversa não terminou, mocinha!

- Sim, senhora!

Mamãe saiu, então me voltei para Ruby.

- Você está com os dias contados comigo, senhorita Ruby. Agora corra lavar essa camisa e depois a esconda em baixo de meu colchão!

- Sim, senhora...

Mas que inferno!

13 comentários:

Laurinha disse...

Ruby traidora!
Royce se achando...eu ein!
A mãe o pai da Rosalie achando que tem controle da vida da filha, kkkkk
Loucura, loucura, loucura.

Gabii disse...

Que raiva, o Royce é um idiota completo, metido, ECA
Nossa Ruby, oq foi q vc disse em?
Na espera do prox cap!

Gleiziany disse...

Aff! Não sei quem é pior. O Royce ou a Ruby. A rosalie ta cercada de pessoas horriveis credo! Coitada dela!

Amy Lee disse...

Poxa Laurinha a culpa não foi da Ruby !
Ela que não conseguiu esconder direito a camiseta, essas coisas acontecem. 

Ela seria uma traidora se tivesse dito tudo sobre a Rose!

Esme Cullen disse...

 A Ruby, na verdade, não agiu por mau. Ela se sente coagida.
Mas é verdade, os pais da Rose só pensam que controlam a vida da filha mas a verdade é bem outra, ahuahuahau

Esme Cullen disse...

É verdade amy, ela não agiu por mau não, ela apenas se viu presa a um momento em que não podia mentir ou poderia ser mandada embora. e, bem, os empregados dessa época praticamente moravam com os patrões, e Ruby não tem mais família. O medo de não ter para onde ir a fez agir assim.

Esme Cullen disse...

É verdade, o Royce é um ser despresível, mas muita coisa ainda vai acontecer.
Já a Ruby, ela agiu assim por medo, pobrezinha.

Esme Cullen disse...

O Royce, ele sim pé o capeta.
A Ruby não tinha muita escolha coitada.

Esme Cullen disse...

Que pena, só 4 comentários...
Há algo que vocês não estão gostando na fic para sumir assim?

Hanna disse...

amando!!

Marii2121Luttz disse...

nossa royce é um babaca sem vergonha
ruby coitada ela nao fez por mal estava com medo o que pdia fazer 
amei amei amei

Esme Cullen disse...

:)

Esme Cullen disse...

o Royce não presta mesmo, mas a Ruby é uma coitadinha sim. Ela estava cheia de medos, coitada.
Obrigadinah pelo comentário!! :)

Postar um comentário

blog comments powered by Disqus
Blog Design by AeroAngel e Alice Volturi